Leituras: Bee Wilson e Laura Pires

Passei um fim de semana prolongado na Inglaterra e, infelizmente, não tenho nenhuma aventura gastronômica a relatar – o lugar onde me hospedo não é particularmente empolgante e foi uma visita de família, com uma rápida passagem pela congelante Londres (que amo, mas não tenho conseguido rever com a calma necessária).

Entretanto, adquiri um livro que queria muito e ganhei um outro, que minha prima me enviou via uma amiga de Brasília que está passando duas semanas por aquelas bandas. O primeiro foi First Bite: How We Learn to Eat (Fourth Estate), de Bee Wilson, que discorre sobre as bases culturais, afetivas e psicológicas de nossos hábitos alimentares.

cyraak_xuaafn7x

É uma leitura fantástica nesta época de tanta confusão e proselitismo sobre como devemos comer ou não e, como é o meu caso, para quem tem filhos com relações problemáticas com a comida (não é um livro de “conselhos”, mas sim, uma reflexão elucidativa sobre a nossa relação com a comida).

O segundo, que veio do Brasil, é Nutrindo Seus Sentidos (Editora Rocco), da Laura Pires.

imagem-aspx

Havia muito tempo que queria um livro sobre culinária e medicina ayurvédica, e este é perfeito. Comecei a acompanhar a Laura no Instagram e o livro entrou para minha lista de desejos assim que o vi. É abrangente e ao mesmo tempo tempo simples, e as receitas incluem a preparação de masalas (misturas de especiarias indianas), que é algo que sempre quis aprender. Ela tem outros livros publicados dentro do mesmo tema, todos interessantes.

Já segui algumas dicas de preparação de arroz e fiz uma receita, de bolinhos de arroz e abóbora. Os meus não ficaram douradinhos, mas acho que não eram para ser.

imgp0517

Eu estou numa fase de cozinhar com abóbora, que não é um dos meus ingredientes favoritos para pratos salgados, mas resolvi dar uma chance devido à estação. No sábado, preparei esse curry (caril) a olho e ficou fantástico. A foto está sofrível (não reparem no estado do individual…), mas acho que dá para ter uma ideia.

imgp0545

Assei cubinhos de abóbora e floretes de couve-flor até ficarem tostados. Quando já estavam quase prontos, numa panela, tostei sementes de alcaravia, funcho e mostarda no óleo de coco. Acrescentei cebola picada, alho espremido e pó de caril/ curry. Depois, tomates e e cogumelos laminados, mais um pouco de passata. Adicionei um pouco de água e, quando os tomates já estavam mais desmanchados, a abóbora e a couve-flor. Finalizei com leite-de-coco, piri-piri/ pimenta calabresa, coentros picados e corrigi o tempero – deixei cozinhar por mais uns 3-4 minutos. O arroz integral, tostei e cozinhei com sal, um anis estrelado e coentro em pó. A repetir.

 

Brownie de chocolate e beterraba

Não vos enganarei – a textura deste brownie de chocolate e beterraba não fica idêntica à de um mais tradicional, mas fica menos interessante e ele, menos gostoso? Definitivamente, não. É bom demais.

Brownie light não existe, mas também não precisa existir. A não ser que você seja como eu e goste de receitas alternativas, um pouco mais leves que as originais. Se eu vou a um café ou pastelaria, quero saber se o brownie é light, com ou sem glúten, lactose, etc? Claro que não! Mas se vou fazer em casa, como já mencionei noutro post, prefiro algo menos pesado.

Eu nunca gostei de beterraba, esta raiz tuberosa sempre figurou na minha lista de alimentos intragáveis. Até que comecei a incluí-la no smoothie, juntamente com laranja e cenoura. E assá-la e combina-la com chocolate. Virei fã – mas ainda não gosto de beterraba cozida.

Depois de ver tantas receitas fiáveis que levavam beterraba e chocolate, resolvi criar a minha versão de um brownie assim. Eu uso gordura e açúcar de coco porque gosto muito das notas de sabores que, juntamente com a beterraba, deixam no bolinho. A beterraba realmente eleva o sabor do chocolate, que, mesmo assim, continua a ser o herói da receita. No caso do açúcar, geralmente faço meio a meio – açúcar amarelo ou mascavado, açúcar de coco. Importante – a doçura necessária vai depender do seu paladar e do chocolate que utilizar, eu uso o Pentagruel 70% cacau (vi que eles têm uma versão com estévia, vou procurar!), que já é bem docinho. Quero experimentar também com o Green & Black’s, que usava na Inglaterra e encontro aqui (mas bem mais caro).

Prove antes de levar ao forno e ajuste a doçura se necessário.

Brownies de chocolate e beterraba

fullsizeoutput_32ba

Ingredientes

1 beterraba cozida (cerca de 40 minutos, com a casca), descascada e cortada em cubos

130g de chocolate preto para culinária

80 g de gordura de coco (pode substituir por manteiga)

100 g de farinha (com ou sem glúten, usei 5o% arroz, 50% espelta branca)

100g de açúcar (usei 50% de coco, 50% amarelo)

2 ovos

Uma pitada de flor-de-sal

Preparo

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Forre uma forma/ um tabuleiro quadrada(o) pequena(o) com papel vegetal.

Derreta o chocolate com a gordura de coco/ manteiga em uma tigela-pyrex sobre uma panela com água quente (não deixe ferver ou o fundo encostar na água!) em fogo brando ou no microondas. Deixe esfriar um pouco.

Faça um purê com a beterraba e um dos ovos num processador/ robot de cozinha. A minha nunca tritura totalmente, mas não se percebe no resultado final.

Verifique se o chocolate já esfriou um pouco e junte a farinha, o açúcar, o sal, o ovo restante e misture bem. A massa fica linda assim:

dsc09782

Despeje na forma e leve ao forno por 18-20 minutos (depende do seu forno, claro). Deixe esfriar e corte em quadradinhos.

Se conseguir resistir, eles congelam bem.

dsc09787

 

Todas as fotos são creditadas a mim, exceto quando outra fonte for citada. © Daniela Oliveira, todos os direitos reservados

 

 

 

Pitacos saudáveis #1

Eis uma nova rúbrica – mas sem a intenção de fazer grandes proselitismos à alimentação saudável. É que eu gosto de me alimentar bem e sem pesticidas, antibióticos e conservantes (ou crueldade animal, mas daí já é mais difícil sem se comprometer com uma dieta vegana), e estou sempre à procura de novas lojas e restaurantes que vendam ingredientes biológicos e incomuns/ sirvam refeições vegetarianas e veganas. Mas sou onívora.

No sábado, fui com a minha filha ao Human Fest Porto (13-16 de outubro, Pavilhão Rosa Mota, Jardins do Palácio de Cristal), e acabei lanchando por lá (comida vegetariana, na onda do evento). O estande que escolhi estava representando o restaurante Despertar da Sensibilidade (Rua Augusto Simões, 1359, Maia, Porto; tel. 22 948 9996). Havia opções interessantes de pratos quentes, as fotos da página do FB prometem um ambiente super zen e gostei do atendimento durante a feira. Provei(amos) o bolo, de beterraba, cenoura e espinafres com cobertura de chocolate, que estava ótimo (pensando seriamente em fazer uma versão aqui em casa, mas de cenoura e beterraba, duas camadas distintas, a criaturinha que pari detesta tudo verde). Experimentei, também, uma empada de tofu e cenoura; o recheio estava bem temperado, mas a massa, um pouco seca – acontece. O bolinho ao lado (que, na verdade, causou uma dor de barriga que durou até terça, uma pena, mas ela pareceu gostar) da empada era da minha filha; não cheguei a provar, e veio de outro estande, onde comprei o chá.

(alerta para TODAS as fotos a seguir: zero food styling)

p1230664p1230665

Cinco dias depois, na Baixa, resolvi finalmente conhecer o Da Terra (Rua Mouzinho da Silveira, 249, Porto, tel.: 223 199 257), mais um restaurante vegetariano no Porto, originalmente de Matosinhos. Uma conhecida tinha me falado maravilhas do tempero, é uma instituição vegetariana aqui da área, então, tinha bastante curiosidade. De qualquer forma, o Da Terra é um conceito mais amplo e também oferece cursos e workshops.

imgp0005imgp0014Primeiramente – eu compreendo que seja necessário capitalizar a clientela estrangeira (turística) que circula pela área. Mas o quadrinho podia ser bilíngue, não?

Lá dentro, o ambiente é luminoso e amplo, e o buffet é apresentado de forma elegante e tudo é muito bonito (bom, tão bonito quanto comida de buffet pode ser, já que não se tratam de pratos individuais). O atendimento é casual, e a moça atrás do balcão foi simpática ao explicar, após eu perguntar, que não aceitam cartão (?) e que eu poderia ir ao caixa eletrônico/ multibanco após a refeição se necessário (um voto de confiança que, no meu país de origem ou no da minha filha, dificilmente existe) – eu já tinha o meu prato feito na bandeja.

fullsizeoutput_32b7

Não pedi bebida e, após a minha primeira visita ao buffet, finalmente o empregado de mesa veio perguntar o que eu gostaria de beber. Um pouco tarde e, diante da minha negativa (em geral, não bebo durante as refeições, só vinho e cerveja quando como carne e, mesmo assim, não sempre), ele virou as costas sem dizer nada, como se eu realmente tivesse perdido todo e qualquer interesse. Não que houvesse algo a dizer, mas achei a atitude um pouco rude.

O que eu comi, em ordem cronológica (não sobrou espaço para sobremesa):

fullsizeoutput_32b9

Uma mistura de saladas: cenoura e passas, verde e Waldorf (amo). Um burrito de feijões e milho, uma torta/ tarte de legumes e torradinhas com homus de feijão branco e beterraba (acho que era isso, a textura cremosa era de feijões). A minha preferida foi a torta/ tarte, tanto que repeti na segunda rodada (assim como a Waldorf).

imgp0007

Estes bolinhos cor-de-rosa com uvas eu não sei bem o que eram, mas tinham textura de polenta cozida. Pensando bem, acho, sim, que eram de polenta com beterraba. Não sei se gostei ou não, mas não estavam ruins. Neste prato há também a cebolada com tofu – muito boa, o tofu estava bem temperado, tinha sabor de queijo. No buffet, há sempre três pratos principais quentes, mais sopa, saladas e acompanhamentos variados.

Por fim, o outro prato quente. O caril de abóbora e cogumelos.

imgp0009

Estava bom, mas a minha ideia de caril é um pouco diferente – molho espesso, seja à base de tomates, natas, amêndoas ou leite de coco, com uma mistura de especiarias um pouco mais complexa. Acho que a textura dos legumes pedia um molho mais encorpado. O seitan eu não (nunca) provei, já não havia espaço, e eu realmente não me sinto atraída por um pedaço de proteína difícil de digerir. Todos os restaurantes vegetarianos oferecem seitan, que eu vejo mais como “satã”. É subjetivo, sei.

O veredito? Voltaria, sim, quero experimentar mais. Adorei? Não, mas sei que é assim com buffets – o menu é um pouco desconexo, nem todas as opções são interessantes ou estão na temperatura certa, etc. Acho que o atendimento, pelo menos na Baixa, é às vezes um pouco impessoal, senti como se estivesse em Londres, numa cidade grande qualquer (algo como um “não lugar”), o que é bom para o negócio em termos de clientela turística, mas não me convence muito. Principalmente em uma cidade conhecida pela simpatia.

Todas as fotos são creditadas a mim, exceto quando outra fonte for citada. © Daniela Oliveira, todos os direitos reservados

Todas as Sextas: Paola Carosella

7d15cab9-30f3-458f-bc18-aef4036af72e

“Conheci” a Paola Carosella via Masterchef Brasil, que tenho acompanhado aqui em Portugal. Eu confesso que teria desistido na primeira temporada – achei um pouco aquém (com uma aura muito Big Brother, e mais parecida com a versão americana, completamente oposta à australiana, minha favorita; a segunda foi bem melhor), mas ela e os outros jurados “me conquistaram”, e aguardo com ansiedade a terceira, já concluída no Brasil. Eu adoro Masterchef, é meu guilty pleasure, e mesmo os “ruins” são interessantes, pois é sempre legal saber como as pessoas cozinham em diferentes partes do globo. E o Brasil obviamente me interessa muito.

Eu queria muito que este post fosse uma resenha do livro acima, mas é uma aquisição que vai ter que ficar para mais tarde (o envio do Brasil para cá costuma sair caríssimo). É só mesmo um lembrete de que essa cozinheira e restauranteur fantástica acabou de lançar um livro de receitas e histórias, com fotografias de seu companheiro, o fotógrafo britânico Jason Lowe.

Pela Baixa do Porto: Sanderia e Loja das Conservas

Fui à Baixa levar minha câmera compacta para uma avaliação de reparo/ conserto e, como era hora do almoço, decidi comer por lá. Não sou grande fã de sanduíches (muitos anos na Inglaterra, onde as/os sanduíches são a refeição mais comum e banalizada do dia), mas foi o que me apeteceu e hoje, finalmente (já tentei almoçar lá outras vezes), não havia uma grande lista de espera na Sandeira do Lumiére, nas Galerias Lumiére (Rua de José Falcão). Escolhi o menu de almoço (sopa + sande do dia + bebida do dia = 5€) e gostei bastante – sopa saborosa, sande “Douro” (queijo de cabra, frango, salada, maçã e um molhinho tipo salsa delicioso; há uma escolha de 4 sandes do dia, incluindo uma opção vegetariana) quentinha e com pão “crocante”. Aprovadíssima.

dsc09758

dsc09759

Depois, uma visita à Loja das Conservas (Rua Mouzinho da Silveira 240-242, tel.: 960 472 930) que abriu no Porto há dois meses e sobre a qual só fiquei sabendo graças à Moira, do Tertúlia de Sabores, que respondeu a um comentário meu  no Instagram.

dsc09764

Eu comprei algumas conservas da Briosa num mercado de Natal, em 2014, no Porto, me apaixonei, mas nunca mais as vi à venda. A loja representa dezoito marcas portuguesas de conservas de pescado e, obviamente, chama a atenção dos turistas – mas não é “só para turista ver”. Se os seus amigos e familiares gostam de pescado em lata, é uma lembrança muito legal para levar daqui, mesmo porque a maioria das latas tem um layout lindo.

dsc09762dsc09761

Estou pensando em ir lá num dia de degustação, fiquei um pouco confusa com a variedade e queria provar outras marcas também.dsc09760

Mas hoje voltei feliz para casa com estas aqui – não gostava muito de conservas com picante, pois as que já tinha comido eram muito ruinzinhas, mas as da Briosa mudaram a minha opinião. Com o frio que começa a chegar, há poucas coisas que combinem tão bem com uma taça de vinho tinto e um pouco de pão.

dsc09768

Todas as fotos são creditadas a mim, exceto quando outra fonte for citada. © Daniela Oliveira, todos os direitos reservados

Produtos biológicos no distrito do Porto

Onde comprar produtos biológicos no Porto e região? Foi a minha pergunta/ busca logo que cheguei aqui. Sabia que encontraria alguns produtos nos grandes supermercados, mas eles certamente não têm de tudo – às vezes, quase nada. Com o passar do tempo, há cada vez mais opções, todas excelentes e com seus atrativos.

Eu não compro tudo biológico (ou orgânico, como se diz no Brasil), mas escolho este tipo de produto se possível – por questões de saúde e ecológicas, principalmente. É claro que é preciso um pouco de planejamento para ter um bom suprimento de biológicos na geladeira/ prateleira, pois a produção costuma ser sazonal e, se você não mora perto de uma loja do gênero e quer preparar uma determinada refeição, tem de se contentar com o que tem à mão. O que é quase sempre o meu caso, mas quero me organizar melhor para comprar o máximo de biológicos possível, pois em relação aos legumes e verduras, por exemplo, os preços não são tão díspares assim. As carnes e os produtos dietéticos costumam ser mais caros, mas a mentalidade, acredito, é consumir menos (principalmente carnes) e encarar certos produtos como um investimento saudável (como por exemplo, a gordura de coco – é uma gordura cara, sim, mas se você fizer menos fritos/ frituras, não sai perdendo).

A lista abaixo são de alguns pontos comerciais e mercados que conheço. Não é das maiores, porque resolvi incluir apenas os que já visitei ou, como no caso do Mercatu, sei que continuam abertos (encontrei algumas opções com links mortos, o que nunca é bom sinal, infelizmente). Pretendo ir atualizando este post à medida que vou a novos lugares. E, claro, há sempre o seu comércio local que pode ter uma pequena oferta de produtos assim (por exemplo, há uma loja de produtos portugueses na minha zona com uma seleção de biológicos), e é sempre bom prestigiar quem não está nos grandes centros ou tem presença na internet.

Clique nos links para mais informações.

Mercados

O Berdinho: Mercado Rural (Rua Miguel Bombarda, Centro Comercial Bombarda, 12h-19h sábados)

Mercado Biológico de Matosinhos (Avenida Dom Afonso Henriques, Jardim Basílio Teles, Matosinhos, 9h-14h sábados) Mais um “mercadinho”, mas com boas opções de frescos e, também, pães.

Mercado Biológico do Parque da Cidade (Beco das Carreiras, Quinta 66, Núcleo Rural do Parque da Cidade, Porto, tel.: 22 834 9490, 10h-14h sábados)

Mercado Porto Belo (Praça de Carlos Alberto, Porto, sábados out-mai 11h-17h, jun-set 14h-19h). Um simpático mercadinho de rua com velharias, artesanato e, claro, algumas bancas de frescos e pães biológicos.

Supermercados e mercearias

IdealBio (Rua 5 de Outubro nº 352, Porto, tel.: 22 609 1873, 9h-20h dias úteis e sábados) Um excelente supermercado, perto da Casa da Música, que tem, literalmente, de tudo – de frescos e produtos dietéticos, a talho e cosméticos e artigos para animais. Destaque para os excelentes preços da seleção dos deliciosos chás da marca Pukka (meus vizinhos quando morava em Bristol) e os produtos do Cantinho das Aromáticas. Tudo biológico.

Mercatu (Rua do Crasto, nº 210, Foz, Porto, tel.: 22 617 2063, 10h-20h segunda a sexta, 10h-19h sábados) Na Foz, é também um supermercado com tudo que você possa imaginar em termos de biológicos. Entrega em casa.

Biomercado (Mercado Municipal de Matosinhos, R. França Júnior, 1º piso) Mercearia com uma excelente gama de biológicos (frutas, legumes, produtos não perecíveis, frango, iogurtes e outros laticínios, etc) , incluindo pães frescos e produtos de higiene.

Lojas

Quintal Bioshop (www.blogdoquintal.blogspot.com, Rua do Rosário, 177, tel.: 22 201 0008, 10h30-20h segunda a sexta, 10h30-19h sábados) A minha primeira descoberta biológica no Porto, com uma boa seleção de produtos (vegetarianos e veganos biológicos) e um pequeno café com esplanada nos fundos. Oferece também workshops e eventos, mais a oportunidade de fazer umas festinhas aos gatos residentes, resgatados pelas donas simpaticíssimas (aqui em casa, nos referimos ao Quintal Bio como “the cat’s café“).

Biorigem (http://www.biorigem.com, Rua Damião de Góis nº 69, Porto, tel.: 22 502 6222, 10h-19h30 segunda a sábado) Loja excelente, com oferta variada de produtos, na região da Baixa.

Grandes redes

Celeiro (consulte http://celeiro.pt/lojas para encontrar a loja mais próxima de você e os horários de funcionamento) A famosa rede de ervanárias tem de tudo um pouco (às vezes, muito!), incluindo legumes e lácteos biológicos, e você pode comprar on-line, o que é sempre prático.

Bio & Natural (El Corte Inglés) (http://www.elcorteingles.pt, Av. da República, 1.435, Vila Nova de Gaia, tel.: 902 224411, 10h-23h segunda a sábado, 10h-20h domingos) O El Corte Inglés caprichou na sua divisão de biológicos (dentro do supermercado, junto à seção de frescos) e a oferta é variada, incluindo lácteos, produtos dietéticos (sempre é bom verificar também a seção de dietéticos) e frescos a bons preços. Oferece eventos de culinária de cariz nutricional e, claro, você pode fazer sua compra on-line.

Pão de banana delícia

dsc09646

O outono tira os bules de chá do armário, e um bolo há sempre de acompanhar.

Um bolo de banana não seria a minha primeira opção para o lanche da tarde – nem a segunda, terceira, etc. -, mas sempre que tenho bananas passadas, arrisco uma receita. Depois de diversos resultados duvidosos e alguns sucessos que não voltei a repetir, acho que cheguei ao pão de banana mais “saudável” e mais fácil e saboroso que já fiz. E por saboroso, I mean it – metade se foi em quinze minutos, e ninguém aqui em casa é grande fã. A combinação melaço de cana e banana é divina, algo como uma banoffe pie versão bolo. Eu já tinha acertado no sabor, mas as textura ficou a desejar. Agora foi.

dsc09638

Pão de banana

2 bananas grandes passadas amassadas

2 colheres de sopa (bem cheias) de melaço de cana

1/4 xícara de açúcar de coco (ou mascavado)

2 ovos

70g de manteiga ou manteiga de coco (derreter e deixar esfriar)

1 3/4 xícara de farinha de espelta integral (ou de trigo integral)

1 colher de sopa de fermento

Bater bem os ovos com um handmixer (varinha mágica), até a mistura dobrar de tamanho. Acrescentar o açúcar, o melaço e a banana – bater mais. Adicionar a farinha aos poucos e, depois, a manteiga, mexendo com uma espátula. Por último, incorporar o fermento. Despejar numa forma de bolo inglês pequena, forrada com papel vegetal, e levar ao forno pré-aquecido a 170ºC por cerca de 30-35 minutos.

Ah, e uma cobertura de chocolate semi-amargo deve ficar muito bem!

dsc09644

 

Todas as fotos são creditadas a mim, exceto quando outra fonte for citada. © Daniela Oliveira, todos os direitos reservados